Páginas

quinta-feira, 28 de abril de 2011

A obra ''O Grito de Edward Munch'' e a repercussão de sua imagem em nossa cultura

A pintura  do norueguês Edvard Munch de 1893, é uma  obra que  representa a própria vida dramática do artista. Ele  tinha um pai rígido e controlador,  que o proibia sempre. Quando pequeno presenciou a morte de sua mãe e de uma irmã. Decidido pelo sonho de ser pintor, cortou relações com seu pai,  pelo sonho de ser pintor e foi morar em Oslo. A escolha não teve todo o êxito desejado, pois ele se envolveu com uma mulher casada que acabou por trazendo-lhe mais angústias em sua vida na década de 1890.  Laura a sua irmã favorita, foi diagnosticada com doença bipolar e internada num asilo psiquiátrico.
A obra ''O Grito'' apresenta uma figura, meio andrógina e horrenda em um momento de profunda angústia e desespero existencial. O plano de fundo é a doca de Oslofjord em Oslo na Noruega  num por de Sol.
O estado de espírito do pintor fica bem claro na escrita de seu diário que diz:
"Passeava com dois amigos ao pôr do sol, o céu ficou de súbito vermelho sangue, eu parei, exausto, e inclinei-me sobre a mureta, havia sangue e línguas de fogo sobre o azul escuro do Oslofjord e sobre a cidade. Os meus amigos continuaram, mas eu fiquei ali a tremer de ansiedade e senti o grito infinito da natureza."
O Grito é considerado uma das maiores obras do movimento expressionista e também um ícone, que assumiu referências pop, ao lado da obra  conhecida de Leonardo da Vinci "Mona Lisa".
Abaixo estão as imagens do quadro e algumas releituras  divertidas da obra.

                                           A obra ''O Grito'' de Edvard Munch.

Desenho  de Burt Simpson, releitura da imagem do quadro.

O grito, imagem do fotógrafo Caio Cesar de Florianópolis.

Cubos de gelo com o formato da imagem  da figura do quadro.

Fotografia  releitura , por Liana Lessa.

Ilustração com imagem do quadro.

                                               Fotografia de Márcio Rodrigues.

Ilustração de Marcos Miller

     
          Boneco de pelúcia com a imagem do personagem.

O roubo da obra

Em  12 de Fevereiro de 1994, o quadro ''O Grito''que se encontrava  da Galeria Nacional de Oslo foi roubado em pleno dia, por um grupo  de ladrões que se deu ao trabalho de deixar uma mensagem que dizia: Obrigado pela falta de segurança.
Três meses depois, os assaltantes enviaram um pedido de resgate ao governo norueguês, exigindo o pagamento  no valor de um milhão de dólares. As entidades norueguesas recusaram a exigência e pouco depois, em  7 de Maio, o quadro foi recuperado numa ação conjunta da polícia local com a Scotland Yard.
Em 22 de Agosto de 2004, o quadro exposto  no '' Munch Museum '' foi roubado num assalto à mão armada que levou também a Madonna do mesmo autor. O Museu ficou à espera de um pedido de resgate, que nunca chegou. Em Abril de 2005 foi preso um homem com  ligação a este crime e surgiram rumores que os assaltantes tivessem queimado o quadro, como forma de eliminar provas.
A polícia norueguesa anunciou ter reencontrado os quadros em 31 de Agosto de 2006.
Em Dezembro de 2006 os danos causados ao quadro pelos ladrões, foram qualificados como "irreparáveis" por especialistas em pinturas do Museu Munch. As pequenas manchas produzidas pela umidade são vistas pelos peritos como um problema sem solução alguma, enquanto uma série de fendas e buracos causados por queimaduras de cigarros, exigem trabalhos de restauro extremamente complicados e difíceis No entanto, os danos não tiveram repercussões para os visitantes do Museu Munch, que podem ver a obra devidamente exposta.





 Ao lado imagem do quadro
''O Grito'', colocado numa vitrine de vidro e sob elevada segurança, após os roubos anteriores.








Curiosidades sobre o quadro:

Segundo  Robert Rosenblum , um  estudioso e especialista da obra do pintor, a fonte de inspiração para a figura humana estilizada teria sido uma múmia peruana que  Edvard Munch viu na exposição universal de Paris em 1887.
O quadro foi exposto pela primeira vez em 1903, como parte de um conjunto de seis peças, intitulado Amor. A ideia de Munch era representar as várias fases de um caso amoroso, desde o encantamento inicial a uma roptura traumática. O Grito representava a última etapa, envolta em sensações de angústia.

10 comentários:

  1. eu hoje dia 02/5/2011 eu estudei essa arte e eu amei

    ResponderExcluir
  2. Respostas
    1. demais cda dia descubro coisas novas sobre esta obra maravilhosa!!!

      Excluir
  3. poste + montagens !

    ResponderExcluir
  4. Eu vi a obra em uma exposição na OCA, Ibirapuera. Pena que os novos não terão o mesmo prazer. Queimar a obra com cigarros mostra a imbecilidade dos fumantes.

    ResponderExcluir
  5. eu vi a obra em uma exposição na OCA, Ibirapuera mas na epoca tinha apenas 10 anos e nao sabia nada sobre artes hoje eu sei muito e amo essa obra

    ResponderExcluir
  6. essa que e uma verdadeira obra!!!!!!!!!

    ResponderExcluir